Bauru - 22/06/2019 - 08h30

Ipês dão boas-vindas ao inverno bauruense

Ana Beatriz Garcia e Samantha Ciuffa - JCNet

O inverno, que começou nessa sexta-feira (21) às 12h54, segue até o dia 22 de setembro, "apagando" um pouco o verde vibrante das folhagens. Por outro lado, o ipê - espécie facilmente encontrada em vários locais de Bauru - começa a dar cor e vida às paisagens, em virtude de ser uma das poucas vegetações a florescer nesta época. Belos exemplares da árvore, por exemplo, já podem ser conferidos na avenida Nações Unidas, na alameda Octávio Pinheiro Brisolla e no Parque Vitória Régia.

Nesta estação de pouca precipitação, em que as temperaturas ficam mais baixas, os dias mais curtos e as noites mais longas, os ipês, espécie predominante no Cerrado, encontram as melhores condições de florescimento, conforme explica o professor e biólogo, Dorival José Coral, presidente do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente.

"O ipê é uma espécie diferente das outras já que, diferente da maioria, que floresce na primavera e no verão, ela é uma das poucas a mostrar a sua exuberância logo no início do inverno. Um dos fatores importantes para o florescimento do ipê é o estresse hídrico. Eles precisam da falta d'água. Como já faz alguns dias que estamos sem chuvas, com temperatura mais fria e com a mudança da luz, era tudo que a espécie precisava para começar a florescer", explica.

Segundo Dorival, o ipê produz muitas flores e tem uma estratégia de dispersão de sementes em grande quantidade para tentar fazer com que, algumas delas, possam germinar, nos meses propícios. "Elas suportam três a quatro meses de recessão de chuva e, quando começa a chover, essas sementes já estão dispersas e são as primeiras a germinar. O que dá à espécie uma estratégia de sobrevivência bem interessante. Outra vantagem são os agentes polinizadores nessa época, já que não é algo comum", comenta.

Beleza Colorida
O que mais chama a atenção de quem vê um ipê é a beleza do colorido que traz à paisagem. De acordo com o biólogo, são mais de 20 espécies de ipês existentes, que variam das mais exóticas às nativas do nosso País. "Neste período de início de inverno, as espécies exóticas que nós temos são as que começam a florescer, principalmente, o roxo. Algumas não são nem nativas do Brasil", diz. "Considerando as espécies nativas, no nosso País a espécie mais frequente é a amarela, do Cerrado, que tem tendência de florescer mais entre julho e agosto", completa Dorival Coral.

O biólogo ainda afirma que este é o início do ciclo dos ipês, que inicia com o roxo e segue com o amarelo. Já no final do ano, ocorre a mescla entre muitos brancos e alguns amarelos. E, no início do ano, a cor que predomina é o rosa, que também pode aparecer agora no inverno.

Últimas notícias