Bauru - 23/07/2019 - 14h30

Com nove casos suspeitos, Bauru antecipa medidas de prevenção ao Sarampo

Redação/Assessoria

A Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Departamento de Saúde Coletiva, antecipou as ações de prevenção ao Sarampo em Bauru, mesmo a cidade não sendo consideração de risco pela Secretaria de Estado da Saúde, por conta da existência de casos suspeitos na cidade.

A Secretaria informa a existência de nove casos suspeitos de Sarampo no município de Bauru: cinco casos na Região Noroeste (Parque São Geraldo), três casos na região Sudeste (Vila Universitária e Geisel) e um caso na região Norte (Mary Dota). Em todos os casos, os exames foram coletados e enviados ao Instituto Adolf Lutz que envia para Fiocruz Rio de Janeiro para o diagnóstico, após os resultados liberados pela Fiocruz que poderemos confirmar ou descartar os casos.

Das ações realizadas pela Secretaria Municipal de Saúde de Bauru, mediante as suspeitas:

  • O Secretário Municipal de Saúde de Bauru realizou reunião em São Paulo no último dia 18, onde o Conselho de Secretários Municipais de Saúde solicitou junto à Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo a instituição de um Plano de Contingência para a situação do sarampo no Estado de São Paulo, bem como nota técnica com as orientações e justificativas sobre os municípios prioritários para vacinação.
  • Foi realizado varredura nos locais onde os casos suspeitos de Bauru estiveram. A varredura é um procedimento onde os profissionais da Secretaria Municipal de Saúde visitam casa a casa onde os casos suspeitos visitaram ou passaram, para a verificação da carteira de vacina das pessoas e vacinação conforme a situação vacinal;
  • Bloqueio vacinal: os profissionais da Secretaria Municipal de Saúde realizam busca a todas as pessoas que tiveram contato direto com o paciente suspeito. A partir da identificação da pessoa, foi feita a vacinação em todos os contatos diretos de cada suspeito, independentemente da situação vacinal;
  • Visita a empresas e locais onde os pacientes suspeitos trabalham e realizado vacinação de bloqueio em todas as pessoas de contato.
  • Reunião com a equipe de saúde com alerta epidemiológico para atenção de casos suspeitos. Dessa forma, foi enviado informe técnico para todas as unidades de saúde (publicas e privadas);
  • Agendada reunião para dia 24/7/19 na Secretaria Municipal de Saúde com grupo de infectologistas para tratativa de estratégia de assistência e capacitação profissional conforme protocolo;
  • Reunião com Secretaria Estadual e Municipal de Educação, bem como da rede privada de ensino e Instituições Superiores, para orientação sobre cuidados, orientação e vacinação no retorno das aulas;
  • Reunião semanal com a Vigilância Epidemiológica da Secretaria Estadual de Saúde em Bauru para acompanhamento das ações e dos casos, bem como para adoção de novas estratégias;
  • Instituído Sala de Situação na Secretaria Municipal de Saúde de Bauru, com reuniões semanais entre os Departamentos (Vigilância Epidemiológica, Atenção Básica, Urgência e Emergência e Unidades Ambulatoriais) para acompanhamento e estratégias de enfrentamento da situação de sarampo.
  • Solicitado para todas as chefias verificar a situação vacinal de todos os profissionais da saúde.


A Secretaria Municipal de Saúde de Bauru solicitou grade de vacina para todas as suas ações de vacinação e a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo informou que enviará o necessário para as ações descritas. No momento, não há falta de vacina nas unidades de saúde de Bauru.

Mediante a suspeita dos casos, a Vigilância Epidemiológica orienta que todas as pessoas devem estar devidamente vacinadas contra o Sarampo de acordo com os esquemas abaixo:

Crianças:
Uma dose de vacina SCR (tríplice viral) aos 12 meses de idade;
Uma dose de vacina SCR-Varicela aos 15 meses de idade.

Todos os Indivíduos com idade entre sete e 29 anos:
Devem ter duas doses de SCR (recebidas a partir de um ano de idade e com intervalo mínimo de 30 dias);

Adultos acima de 30 anos e os nascidos a partir de 1960:
Devem ter pelo menos uma dose da vacina SCR, a partir de um ano de idade, independente de história anterior da doença;

Todos os profissionais da Saúde:
Devem ter duas doses da vacina independente da idade;

Obs 1: A vacina é contraindicada para gestantes, imunossuprimidos (HIV, CANCER e outras imunossupressões)

Obs 2: Para os indicados acima que não souberem sobre o seu padrão vacinal ou ausência de carteira vacinal, devem tomar a vacina.

Sobre o Sarampo é de extrema importância salientar que nos últimos anos, observou-se um recrudescimento global na ocorrência de casos de sarampo, e de surtos de rubéola em países a oeste do pacífico e sudeste asiático. Desde fevereiro de 2018, o Brasil tem reportado a circulação do vírus do sarampo (genótipo D8) em 11 estados da federação. Em 2019, dois estados brasileiros continuam registrando casos associados ao mesmo genótipo, indicando circulação mantida do vírus. Em 2019, até 23/05/2019, o Estado de São Paulo registrou 36 casos confirmados de sarampo, sendo 11 casos com registro de internação e quatro em profissionais de saúde.

Os sinais e sintomas da doença são:
O sarampo é uma doença viral aguda, altamente contagiosa, que cursa com febre, tosse, coriza, conjuntivite e manchas avermelhadas na pele (exantema maculopapular). O sarampo pode evoluir com complicações entre crianças menores de cinco anos de idade, sobretudo nas desnutridas, em adultos maiores de 20 anos, em indivíduos com imunodepressão ou em condições de vulnerabilidade e gestantes.

A transmissão é direta de pessoa a pessoa, por meio das secreções expelidas pelo doente ao tossir, respirar, falar ou espirrar e que permanecem dispersas no ar, principalmente em ambientes fechados como, por exemplo: escolas, creches, clínicas, meios de transporte. As pessoas infectadas são geralmente contagiosas cerca de 6 dias antes do aparecimento da erupção cutânea até 4 dias depois. Os sintomas aparecem em média de 10-12 dias desde a data da exposição. A vacina tríplice viral é a medida de prevenção mais eficaz contra o sarampo, protegendo também contra a rubéola e a caxumba.

Mediante aos sinais e sintomas procura um serviço médico para realizar a suspeita, notificação e coleta do material para o diagnóstico.

 

Últimas notícias