Cultura - 02/10/2018 - 11h45

Após um ano sem dia do metal, Rock in Rio 2019 volta às origens e Roberto Medina explica

Empresário fala ao G1 sobre ausência do estilo na edição de 2017 e revela que quase trouxe o AC/DC com Axl Rose, dos Guns N' Roses, no vocal
G1

Não que Roberto Medina tenha ficado insatisfeito com o resultado da edição mais recente do Rock in Rio. Mas o festival de 2017 deixou o empresário meio tristinho. E o motivo é específico: pela primeira vez na história do evento, não houve um dia dedicado ao heavy metal.

A situação não voltará a se repetir em 2019: Iron Maiden, Scorpions, Megadeth e Sepultura vão tocar em 4 de outubro, na escalação mais pesada do festival em muitos anos. Medina, agora, está tranquilo.

"Não tivemos um dia do metal na última edição, mas não foi por falta de tentativas da minha parte. Há poucas grandes bandas de metal para o Palco Mundo, grupos que, de fato, atraiam uma multidão. Precisamos de um grande nome para o dia do metal, mas as alternativas são limitadas", explica o executivo do Rock in Rio.

Para evitar que a situação se repetisse, Medina tratou de garantir com o máximo de antecedência os nomes de peso para o dia com mais camisas pretas por quilômetro quadrado.

"Quis garantir logo o Iron Maiden. Além de ser uma das mais importantes bandas de metal do planeta, o grupo tem uma relação profunda com o público brasileiro e queríamos renovar esse laço. Scorpions e Megadeth têm fãs muito fieis aqui, além de trajetórias longas e respeitadas. E o Sepultura é a maior banda de metal do Brasil".

 

Últimas notícias