Cultura - 12/11/2018 - 10h35

Pinacoteca receberá a exposição “Notações Clandestinas”

Assessoria

No dia 22 de novembro será realizada a abertura da exposição “Notações Clandestinas”, do premiado artista Andrey Rossi. A exposição ficará na Pinacoteca Municipal até o dia 31 de janeiro. A abertura vai ser às 20h30 e conta com a performance de Fábio Valério, do grupo teatral  Protótipo Tópico. O artista unirá elementos utilizados no grupo com as obras de Andrey.

O horário de visitação da exposição é de segunda a sexta-feira, das 09 h às 17h30. As escolas ou grupos que desejarem visitar, devem entrar em contato pelo telefone: 32321552. Por turma, a Pinacoteca suporta 25 pessoas. A faixa etária é livre.

No dia 20 de novembro, o artista Andrey Rossi estará em Bauru para divulgar sua exposição. Para Paulo Barreto, chefe de seção de Pinacoteca Municipal “ é muito importante recebermos uma exposição contemporânea de um artista em ascensão. Estamos muito felizes”.

Sobre a exposição
As obras reúnem pintura, desenho e assemblagem – caixas com objetos. Segundo Andrey Rossi, autor das obras .“O que eu acho na rua eu acabo colecionando e crio outros trabalhos. Eu comecei a pensar em como explorar o corpo de uma maneira não convencional, onde comecei a me inspirar na atrofia, no corpo mutilado, se revela como grande potencial da obra. Tradicionais imagens de Cristo na cruz, muitos pintores o representavam de forma sensualizada, mesmo com toda dor, sofrimento e escárnio, mostravam um corpo forte, másculo. Eu comecei a desmembrar o porquê deste corpo e porque não um corpo carnificina. Pra mim, este trabalho não foi doloroso, eu gosto de fazer”.

A exposição apresenta curadoria de Marta Luiza Strambi. “Notações Clandestinas” fala sobre figuras que vivem na clandestinidade, algumas nem corpo têm, encobrem-se na tentativa de encontrar seu ponto máximo de expressão, pois vivas ou mortas elas  existem no imaginário de seu criador.

A exposição  apresenta intensidades de tons avermelhados por pigmentos em carmim. Na Idade Média, os homens utilizavam-se do escarlate para tingir tecidos, graças à cochonilha, já nas pinturas de Jan Van Eyck (1434) o vermelho detinha poderes mágicos, relacionados à invencibilidade, força, proteção e intimidação. Aqui, o vermelho, se reveste de outras camadas e orientações, remetendo ao sangue e dor, entretanto guarda sempre a polissemia que o contém. Há também a intenção que o sobrepõe numa operação sutil, que permite trazer certo enigma, acrescentando-nos um saber-não-saber sob um aspecto de mistério.

Andrey Rossi
Andrey Gustavo Rossi é artista visual e possui graduação em Licenciatura Plena em Educação Artística – Habilitação em Artes Plásticas na UNESP (Universidade Estadual Paulista) na cidade de Bauru, concluiu a Pós- Graduação Lato Sensu em Discurso e Leitura de Imagem pela UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), 2013.

Iniciou sua produção profissionalmente em 2008, na cidade de Bauru, com a produção da obra “Aborto em 2º Grau”, trabalho em que apresenta os indícios do que posteriormente viria a ser sua principal linha de pesquisa.

O artista tem obras em acervos municipais, em coleções particulares e na coleção Gilberto Chateaubriand no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Já realizou exposições no Brasil e no exterior.

Últimas notícias