Geral - 11/12/2018 - 14h10

Homem invade missa, mata quatro e comete suicídio na Catedral de Campinas

Redação/G1


Um homem matou quatro pessoas e deixou três feridas após invadir uma missa na Catedral Metropolitana, no Centro de Campinas (SP), na tarde desta terça-feira (11/12), segundo o Samu, Bombeiros e Polícia Militar. O suspeito pelos disparos na igreja, de acordo com as corporações, cometeu suicídio em seguida.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o suspeito teria entrado na Catedral com uma pistola e um revólver calibre 38, e se matado em frente ao altar após os crimes.

Identificado
A Polícia Civil confirmou na tarde desta terça-feira (11) que o atirador que matou quatro pessoas durante uma missa na Catedral Metropolitana de Campinas (SP) é Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos, que tem Carteira Nacional de Habilitação (CNH) registrada em Valinhos (SP).



O delegado José Henrique Ventura afirmou que a profissão do atirador era analista de sistemas. "Não temos até o momento nenhuma informação sobre motivação", explica. Além disso, segundo a Polícia Civil, o atirador não tinha antecedentes criminais e um delegado já foi até a casa onde ele morava para ver com quem morava e se no local são encontradas informações relevantes.

O que já se sabe sobre o ocorrido:
-Uma missa havia começado às 12h15;
-Um homem entrou armado na Catedral, por volta das 13h;
-Ele sentou em um dos bancos da igreja e, ao final da celebração, disparou cerca de 20 tiros;
-Ele matou quatro homens, deixou quatro pessoas feridas e cometeu suicídio na sequência;
-Os mortos não foram identificados;
-A motivação do crime é investigada pela polícia;
-Os feridos foram levados ao Mário Gatti, Beneficência Portuguesa e Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp - veja, abaixo, o estado de saúde de cada um deles;
-Para a polícia, o atirador "executou um plano que tinha na cabeça";
-O atirador foi identificado como Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos.

"A maioria idosos, pessoas inocentes, e ele [suspeito] acabou disparando contra todas essas pessoas. A cena é desesperadora, uma tragédia muito grande. A gente tá acostumado, mas ver idosos baleados assim em regiões como cabeça, pescoço, é difícil tirar da cabeça. O trabalho da Guarda agora é impedir que os curiosos venham para perto da igreja. Os corpos ainda não estão identificados, quem vai fazer isso é a perícia. Uma equipe nossa do patrulhamento a pé começou a pedir apoio desesperadamente, eu mesmo estava no taquaral. A gente estava desesperado pra chegar, foi muito complicado", destaca o guarda Alexande Moraes.

Os mortos não foram identificados e a polícia investiga a motivação do crime. "As vítimas não foram identificadas ainda. Socorremos quem poderia ser socorrido e investimos em quem nós achamos que poderia retornar do quadro grave [...] O que chegou para a gente é que as pessoas estão estáveis nos hospitais. Não temos informação sobre motivação e sobre quem são as vítimas", explica o bombeiro Alexandre Monteiro.

Arquidiocese se manifesta
Em rede social, a Arquidiocese de Campinas lamentou a tragédia nesta terça-feira.

"A Catedral segue fechada para atendimento das vítimas e a investigação da Polícia. Assim que dispusermos de mais informações, as disponibilizaremos. Contamos com as orações de todos neste momento de profunda dor", diz nota

 

Suspeito matou quatro pessoas e praticou suicídio, em Campinas — Foto: Reprodução/EPTV

Últimas notícias