Geral - 15/03/2019 - 08h30

Ataques a mesquitas na Nova Zelândia foram transmitidos ao vivo

Redação/G1/Outros
 
Durante os ataques simultâneos a duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia, nesta sexta-feira (15/03), o atirador fez uma transmissão ao vivo nas redes sociais. No vídeo, que dura 17 minutos, mostra o caminho que o atirador fez até a mesquita e os disparos sobre os fiéis, segundo informou o jornal The New York Times. Ao menos 49 pessoas morreram e 48 ficaram feridas, informou a primeira-ministra da NZ, Jacinda Ardern. As autoridades ainda não divulgaram as identidades das vítimas e dos assassinos.
 
A transmissão foi filmada por meio de uma câmera acoplada no capacete do atirador e mostra quando ele entra na mesquita e dispara contra as vítimas. Depois de mais alguns minutos, ele entra em seu veículo e foge. "Não havia nem tempo para mirar, havia tantos alvos", disse ao fugir.
 
 
Autoridades da Nova Zelândia informaram que estavam trabalhando para remover as imagens divulgadas pelo atirador, que seria de origem australiana. A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, lamentou que seu país vive um dos "dias mais obscuros" de sua história.
 
"Esta claro que isto pode ser descrito como um ataque terrorista (...) Pelo que sabemos parece que estava bem planejado", afirmou.
 
A polícia deteve quatro pessoas, três homens e uma mulher, que podem ter envolvimento no ataque contra mesquitas da Nova Zelândia.
 
O ataque
Os alvos dos ataques foram as mesquitas de Masjid Al Noor, ao lado do Parque Hagley, e de Linwood, que estava lotada com mais de 300 pessoas, reunidas para as tradicionais orações do meio-dia de sexta-feira.
 
Dos 49 mortos, 48 morreram no local e apenas um chegou a ser socorrido com vida, mas não resistiu. Entre os feridos, há crianças e adultos. O governo informou que 12 dos feridos estão em estado grave e precisaram passar por cirurgias.
 
A primeira-ministra australiana, Jacinda Ardern, definiu o ataque como "um ato de violência sem precedentes na Nova Zelândia" e que esse é "um dos dias mais sombrios e sangrentos da história do país". "Esse tipo de violência não tem lugar na Nova Zelândia".
 
A dinâmica dos atiradores ainda não está clara. Porém, o primeiro relato de ataque foi na mesquita de Al Noor, na região central da cidade. Um homem com um rifle automático invadiu o prédio 10 minutos após o início das orações, que começaram às 13h30 desta sexta-feira (por volta das 22h30 no horário de Brasília). Quarenta e uma pessoas morreram no local.
 
Segundo testemunhas, o atirador usava capacete, óculos e um casaco em estilo militar. Ele foi descrito como branco, loiro, magro e de baixa estatura.
 
O criminoso teria divulgado, antes de começar o ataque, um vídeo em que se identificava como um australiano de 28 anos, defensor da ideologia de extrema-direita e anti-imigração. As contas dele Facebook e no Instagram foram removidas. O Facebook afirmou que estava trabalhando para remover as cópias do vídeo.
 
Christchurch é a capital da região de Canterbury, na ilha sul da Nova Zelândia. É a 3ª maior cidade do país, com mais de 370 mil habitantes.

 

Últimas notícias