Geral - 26/08/2019 - 14h40

Governo foi alertado 3 dias antes do 'dia do fogo' combinado na web

Redação/Globo Rural


De acordo com reportagem do site Globo Rural, no último dia 7, três dias antes do incêndio que se alastrou pela região de Novo Progresso, no Pará, o Ministério Público Federal (MPF) do Pará enviou um ofício ao Ibama, órgão do Ministério do Meio Ambiente, para comunicar que produtores rurais pretendiam realizar uma queimada no município como forma de manifestação.

No dia 10 de agosto, como apurou  a Revista Globo Rural, mais de 70 pessoas – de Altamira e Novo Progresso --  entre sindicalistas, produtores rurais, comerciantes e grileiros, combinaram através de um grupo de whatsApp incendiar as margens da BR-163, rodovia que liga essa região do Pará aos portos fluviais do Rio Tapajós e ao Estado de Mato Grosso.

A intenção deles era mostrar ao presidente Jair Bolsonaro que apoiam suas ideias de “afrouxar” a fiscalização do Ibama e quem sabe conseguir o perdão das multas pelas infrações cometidas ao Meio Ambiente.

O documento do Ministério Público que alertou o governo sobre o dia do fogo, ao qual a Revista Globo Rural teve acesso, também cobrava um plano de contingência do Ibama em caso de “confirmação do referido evento”. O plano de realizar as queimadas, agendado para o dia 10, foi divulgado pelo jornal Folha do Progresso, de Novo Progresso.

A resposta do Ibama ao MPF, datada do dia 12, informa que "a Coordenação de Operações de Fiscalização e o Núcleo de Inteligência da Superintendência do Pará haviam sido comunicadas sobre a iminência dos incidentes e ressalta que devido aos diversos ataques sofridos e à ausência do apoio da Polícia Militar do Pará” as ações de fiscalização estavam prejudicadas por “envolverem riscos relacionados à segurança das equipes em campo”.

O documento, assinado por Roberto Victor Lacava e Silva, gerente executivo substituto do Ibama, também destaca que já haviam sido “expedidos ofícios solicitando o apoio da Força Nacional de Segurança”. O Ibama afirma ainda que não havia tido resposta sobre o pedido.

O MPF do Pará relata que funcionários do Ibama vinham sofrendo ataques por parte de madeireiros e grileiros, sem contar com proteção policial.

PF no caso
Ontem à tarde, no Twitter, Sergio Moro, ministro da confirmou que a Polícia Federal vai investigar o conluio entre agricultores, sindicalistas e grileiros para incendiar as margens da BR-163, como relatado em reportagem da Revista Globo Rural.

Últimas notícias