Bauru - 16/08/2019 - 15h20

Sarampo: Bauru registra 80 casos suspeitos


A Prefeitura de Bauru confirmou nesta sexta-feira (16/08), que até o momento, foram registrados 80 casos suspeitos de sarampo. Diante da situação, a Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Departamento de Saúde Coletiva, divulgou as medidas adotadas na prevenção do sarampo.

De acordo com a pasta, desde o dia 18 de julho, quando foi registrado o primeiro caso suspeito em Bauru, o Departamento desencadeou uma série de ações de bloqueio do vírus na cidade.

Todos os locais em que essas pessoas estiveram receberam ações de bloqueio, totalizando 100 locais visitados, entre residências e estabelecimentos comerciais e 3.500 pessoas imunizadas.

O perfil dos casos é, em sua maioria, do sexo feminino, com idade entre 15 a 29 anos, grande parte é menor aprendiz. Os casos ficaram mais concentrados nos bairros da região da Vila Ipiranga e Jardim Godoy, mas há registros em toda a cidade.

A ação de bloqueio consiste na quebra da cadeia de transmissão, que é por via respiratória (tosse, espirro e fala) com a aplicação da vacina SCR (tríplice viral), mesmo que a carteira de vacinação esteja em dia ou que a pessoa já tenha pego a doença. O bloqueio deve ser feito até 72 horas após a notificação do caso suspeito. Porém, quando o caso é identificado tardiamente, a ação deve ser realizado da mesma forma.

Em cerca de 95% dos casos suspeitos de sarampo o bloqueio foi feito em até 72 horas. Por esse motivo, a pessoa suspeita de ter contraído a doença deve passar todas as informações no primeiro atendimento, evitando o bloqueio tardio. Confira aqui todas as ações realizadas.

Saiba mais sobre o sarampo
O sarampo é uma doença altamente contagiosa, que pode ser grave e fatal para menores de 20 anos. Uma pessoa infectada pode infectar, em 1 hora, outras 16 a 18 pessoas, por ser uma doença de transmissão respiratória. Seu período de incubação é em media de 21 dias.

Os primeiros sinais de febre muito alta (38,5ºC a 40ºC), tosse seca, coriza (nariz escorrendo) e conjuntivite, que podem durar de um a três dias. Após terceiro dia da febre e sintomas, aparece a exantema (vermelhidão no corpo), que caracteriza a doença.

Sua fase de transmissão é seis dias antes do aparecimento da vermelhidão e quatro dias após, ou seja, por 10 dias, e como não existe tratamento da doença e sim dos sintomas, a única forma de prevenção é a vacina.

Uma das hipóteses para o retorno da doença é a baixa cobertura vacinal nos últimos anos, motivadas pelos grupos antivacinas, pela falsa sensação de segurança, já que não havia registros da doença no Brasil há mais de 15 anos, fazendo com que a nova geração não tivesse tido contato com a doença.

A Secretaria de Saúde orienta que os pais de crianças menores de 1 ano evitem locais com aglomerado de pessoas, como shoppings, feiras, teatro, cinema etc, e mantenham a higienização das mãos.

Mediante sinais e sintomas de sarampo, o munícipe deve procurar um serviço médico para que sejam feitas a verificação da suspeita, notificação e coleta do material para o diagnóstico. A Secretaria Municipal de saúde emitirá nota informativa de acordo com a necessidade e conveniência epidemiológica e sanitária.

A Secretaria orienta ainda que todas as pessoas devem estar devidamente vacinadas para o Sarampo de acordo com os esquemas abaixo:

Crianças:
Uma dose de vacina SCR (tríplice viral) aos 12 meses de idade;
Uma dose de vacina SCR-Varicela aos 15 meses de idade.

Todos os Indivíduos com idade entre sete e 29 anos:
Devem ter duas doses de SCR (recebidas a partir de um ano de idade e com intervalo mínimo de 30 dias);

Adultos acima de 30 anos e os nascidos a partir de 1960:
Devem ter pelo menos uma dose da vacina SCR, a partir de um ano de idade, independente de história anterior da doença;

Todos os profissionais da Saúde:
Devem ter duas doses da vacina independente da idade;

Obs 1.: A vacina é contraindicada para gestantes, imunossuprimidos (HIV, CANCER e outras imunossupressões)
Obs 2.: Para os indicados acima que não souberem sobre o seu padrão vacinal ou ausência de carteira vacinal, devem tomar a vacina.

 

Últimas notícias